senhora de mascara

Dificuldade para conseguir remédios de alto custo em Sorocaba

Em Sorocaba, duas famílias estão desesperadas pela falta de medicamento de alto custo. Dona Justina tem 89 anos e há pelo menos dez faz uso de vários medicamentos: para o coração, trombose, tireoide e diabetes, em média são seiscentos reais por mês.

O filho Aldo é quem ajuda a cuidar da mãe. Recentemente, a aposentada refez vários exames de saúde e o médico receitou uma nova medicação, agora para tratar de uma hipertensão arterial grave. Mas a família não tem condições de comprar e o remédio está em falta na Prefeitura.



Veja também: Comércio em Sorocaba retorna com restrições.

Para conseguir o remédio de graça, Aldo foi até a farmácia de alto custo de Sorocaba mas voltou de lá sem a medicação. Ele foi orientado a buscar um serviço de referência em hipertensão arterial pulmonar, mas que não tem na cidade.

Enquanto isso, ainda sem tomar o remédio que precisa, os dias têm sido difíceis pra aposentada.

A Amanda tem enfrentado situação parecida com a mãe dela. Há treze anos Zélia cuida de uma asma crônica. O medicamento que precisa é uma vacina de alto custo. Para o tratamento de um mês é necessário quatro doses. sendo que cada vacina custa RS2.200,00.

Veja também: Policial militar de Itu foi morta pelo namorado.

Em 2016, a família entrou com um pedido na justiça e conseguiu que a prefeitura de Sorocaba fornecesse o medicamento, mas segundo a Amanda, desde agosto do ano passado, o remédio está em falta.

Resposta Prefeitura de Sorocaba e do Estado

A Secretaria de Saúde de Sorocaba informou em nota que houve dificuldades para a compra do medicamento da Zélia e por isso houve o atraso na distribuição. Informou ainda que já tomou as providências para a conclusão da compra de mais medicamentos.

Sobre a situação da dona Justina, a Secretaria Estadual de Saúde informa que a paciente só poderá ter acesso ao medicamento para o tratamento da hipertensão arterial e pulmonar depois de passar pelo serviço de referência, responsável pelo diagnóstico inicial.

Ainda segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a paciente já recebeu todas as orientações e deve solicitar o agendamento por meio da rede de saúde de Sorocaba onde também vai ter acesso às informações sobre o deslocamento até o serviço de referência mais perto da casa dela. Depois de todas essas medidas, a dona Justina poderá retirar o remédio na unidade de alto custo, que fica no Conjunto Hospitalar de Sorocaba.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em contato!